O grupo mota-Engil ganhou a corrida à gestão e operação das infra-estruturas portuárias do Malawi situadas no lago Malawi. Desta forma, a concessão dos portos de Chilumba, Chipoka e Nkhata-Bay foi atribuída ao grupo português, por um período de 35 anos, mais concretamente à sua filial nesse país, a Malawi Ports Company. A cerimónia de assinatura do contrato decorreu a bordo do navio Ilala Motor Vessel, no porto de Chipoka.

James Chirwa, representante do Ministério dos Transportes e das Obras Públicas do Malawi, referiu que este é um setor prioritário para o governo malawi, promovendo a entrada de capital privado estrangeiro, potenciando um sistema de transportes mais eficiente nos principais lagos e rios do país, de forma a garantir um eficaz transporte de bens e pessoas.

Já José Dinis, responsável pela Mota-Engil no Malawi, salientou que o transporte de mercadorias no país não será bem sucedido sem portos funcionais e que é vital tornar mais barato este meio de transporte. Garantiu ainda que a Malawi Ports Company vai ter apoio total do grupo Mota-Engil. "Será aplicado um investimento razoável para melhorar as condições dos portos", garantiu, nomeadamente na manutenção das infra-estruturas, equipamento e formação de trabalhadores portuários.

Os três portos de Chipoka, Nkhata-Bay e Chilumba contavam com 115 trabalhadores, sendo que 75 destes juntaram-se à equipa da Malawi Ports Company.