A MSC recebeu no início deste mês o seu 43º navio acima dos 11.500 TEU de capacidade. Segundo a consultora Alphaline, a companhia de Giancarlo Aponte deverá, até o final de de março, operar uma frota exclusivamente composta por navios entre os 11.500 e os 14.000 TEU nas suas quatro rotas Extremo Oriente-Europa/Mediterrâneo.

Segundo o relatório da consultora, a frota da MSC de navios porta-contentores gigantes da MSC já supera a da frota da Maersk Line, com este último a possuir 21 navios acima dos 11.500 TEU, muito menos do que as 43 unidades da MSC.

A empresa de Aponte tem prevista a entrega de mais porta-contentores gigantes, o que elevará a sua frota de navios com capacidades entre os 11.500 e os 14.000 TEU para 56 até o final do ano. Deste total, 52 navios terão capacidade superior a 12.500 TEU.

Por outro lado, a Maersk irá receber o primeiro dos seus navios gigantes Triplo-E no início de 2013. "Isso dá vantagem à MSC para aumentar substancialmente a sua quota de mercado, principalmente às custas da Maersk", diz a Alphaliner.

A consultora prevê que, até o final de 2012, a MSC terá um excedente de 13 navios com capacidades que variam entre os 11,500 e 14,000 TEU "para a qual ainda não revelou nenhum plano, embora o destino mais provável seja as rotas do Oriente-Europa".

O relatório acrescenta que com a introdução "esperada de novos navios MSC na rota do Extremo Oriente/Europa a transportadora poderia aumentar a sua quota de mercado de 15,5 por cento para cerca de 17,5 por cento até o final do ano. De acordo com este cenário, a quota de mercado da Maersk seria reduzida de 23,6 por cento para 21 por cento no mesmo período ".