O governo de Cabo Verde vai explicar entre estas quinta e sexta-feiras aos Estados membros da CPLP a aposta no Cluster do Mar, instrumento estratégico da política de desenvolvimento cabo-verdiana que consiste no investimento na Economia Marítima.

A apresentação estará a cargo do secretário de Estado do Recursos Marinhos cabo-verdiano, Adalberto Vieira, que efectua uma visita de trabalho a Portugal para participar nas jornadas sobre Economia Marítima, no âmbito do Congresso dos Jovens Empresários, que decorrerá no Porto.

O congresso é promovido por associações de jovens empresários de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Portugal e contará com a presença do presidente português, Aníbal Cavaco Silva, e de membros do governo de outros países lusófonos.

Fonte oficial disse à Lusa que Adalberto Vieira aproveitará a oportunidade para socializar a experiência cabo-verdiana em relação ao "Cluster do Mar", numa apresentação que fará no último dia do Congresso. Orçado em pelo menos cerca de 300 milhões de euros, o "Cluster do Mar" é parte integrante da estratégia de desenvolvimento do arquipélago e que inclui dois outros instrumentos: o "Cluster do Ar" e o "Cluster das Novas Tecnologias".

A aposta no "Cluster do Mar" tem em conta a série de projectos a ele associados, como as pescas, a criação de um centro internacional de conservação, processamento e exportação de produtos marinhos, reparação naval, pesquisa oceanográfica (fármacos, energia produzida pelas ondas, alterações climáticas), que dependem, porém, do investimento externo.

O projecto visa facilitar o ensino das tecnologias e das ciências, garantir infra-estruturas de comunicação, promover a colaboração com quadros na diáspora, para que venham investigar em Cabo Verde, incentivos fiscais para empresas de tecnologia e desenvolver um parque tecnológico na Praia com um pólo em São Vicente.

Além disso, engloba ainda a reconversão dos portos em todo o arquipélago, com destaque para o da Cidade da Praia, já na segunda fase de reestruturação, e o do Porto Grande, no Mindelo, em que se pretende torná-lo num de referência no Atlântico Médio.