Ao permitir carregar 60 toneladas de madeira num único camião, a lei portuguesa retira o transporte de rolaria (madeira em toros) da esfera do transporte ferroviário, com as consequências ambientais por todos sentidas.
O serviço de transporte de madeira entre o terminal galego da Adif de As Gándaras (Lugo) e a estação da Figueira da Foz, que é feito pela Takargo e pela Comsa, deve-se ao facto de, em Espanha, não ser possível, como passou a acontecer em Portugal após 2005, carregar 60 toneladas de madeira num único camião, revelou Pires da Fonseca no recente Logistics & Supply Chain Meeting, que a publicação “Logística Moderna” realizou na semana passada em Palmela. O presidente do operador ferroviário privado considerou que tal diferença se deve a um "excesso de competência do legislador português".
A madeira tem como destino a fábrica da Celbi, localizada no Louriçal, suscitando a mobilização de três composições semanais (às segundas, quartas e sextas). Cada comboio transporta um pouco mais de mil toneladas de rolaria, acomodada em vagões-plataforma tipo MMC. (foto de Javier López Ortega)