Na passada sexta-feira, a Infraestruturas de Portugal (IP) deu um importante pontapé de saída na estruturação do Corredor Internacional Sul - que ligará de forma mais eficiente os portos de Sines, Lisboa e Setúbal a Espanha -, com o lançamento da empreitada de modernização do troço da Linha do Leste com 11 quilómetros de extensão, entre Elvas e a Fronteira.

A obra tem um investimento previsto de 18,5 milhões de euros e engloba uma série de trabalhos: Ampliação da Estação Ferroviária de Elvas; Renovação integral da superestrutura de via; Instalação de infraestruturas para futura implementação de sinalização electrónica; Construção de desnivelamentos rodoviários e restabelecimentos, para supressão das passagens de nível existentes ao longo do troço; Substituição dos tabuleiros e reforço dos pilares das pontes sobre o rio Caia e a ribeira do Caiola.

Recorde-se que esta é a primeira obra em fase de lançamento de empreitada do futuro Corredor Internacional Sul, um corredor ferroviário que será criado no âmbito do Plano de desenvolvimento e Modernização da Rede Ferroviária Nacional, Ferrovia 2020. Ao todo, a criação do Corredor Internacional Sul representa um investimento previsto de mais de 626 milhões de euros, dos quais, estima-se que cerca de 356,7 milhões de euros possam ser comparticipados pela U.E..


Pedro Marques fala em «momento histórico»

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas considerou este momento como «histórico». «Estamos assim a assinalar um momento histórico, o lançamento do primeiro concurso desta grande obra do Corredor Internacional Sul, que ligará Sines à fronteira no âmbito do corredor atlântico europeu e que constituirá o maior investimento público no Alentejo, depois do Alqueva», admitiu na passada sexta-feira,admitindo que a concretização da totalidade do projecto é «demasiado importante» para o país.

«A ligação ferroviária de Sines à fronteira, pelos efeitos que terá em toda a economia nacional, mas em particular na região do Alentejo, é um desses projectos de grande alcance para o país. É um projecto demasiado importante para que nos possamos dar ao luxo de o adiar outra vez e isso não acontecerá com este Governo e, pelo menos comigo, nesta equipa», acrescentou.

O governante explicou ainda que as obras no troço entre Elvas e a fronteira do Caia vão ser iniciadas «no final deste ano», devendo as mesmas estarem concluídas no terceiro trimestre de 2018.

«Também no final deste ano, vamos lutar por isso, estarão no terreno as obras dos restantes troços deste corredor num investimento superior a 600 milhões de euros, que irá aumentar a competitividade do Porto de Sines, potenciando a sua posição geoestratégica, a posição geoestratégica de Portugal como porta de entrada no atlântico, como porta de entrada na Europa ocidental», referiu ainda o governante.

Pedro Marques salientou ainda que este é um «investimento estruturante» para a região Alentejo e para o país, uma vez que o Porto de Sines movimenta «mais de 50%» das mercadorias dos portos portugueses.