Cumprindo uma promessa feita aquando da apresentação da 'Estratégia Para o Aumento da Competitividade Portuária', a Ministra do Mar iniciou esta segunda-feira, no Porto de Setúbal, a ronda de apresentações da Estratégia em todos os Portos do continente, numa iniciativa que visa também a discussão com as várias comunidades portuárias e os diversos intervenientes.

No que respeita ao Porto de Setúbal, a estratégia do Governo aponta para algumas intervenções, sendo que a mais relevante de todas está relacionada com a melhoria da acessibilidade marítima, permitindo que Setúbal possa receber navios de maiores dimensões. «O Porto de Setúbal, com estas intervenções que vão ser feitas, ficará com capacidade de acolhimento do mesmo tipo de navios que hoje vão ao Porto de Lisboa», realçou sobre as dragagens previstas, que adianta que deverão começar a ser feitas até final do ano.

Mas a Estratégia do Governo para a melhoria da competitividade do Porto de Setúbal não se limita a esse investimento. Tem também outros pontos de intervenção previstos que visam uma «melhoria das condições de operacionalidade», onde se destacam os investimentos na passagem da JUP para a JUL, a melhoria do VTS ou a melhoria dos acessos ferroviários à zona central do Porto de Setúbal, que permitirá aumentar a recepção/expedição dos atuais 9 comboios por dia, em cada sentido, para um total de 15 comboios/dia.

Ao todo, o investimento previsto na Estratégia para o Porto de Setúbal é de 25,2 milhões de euros, quer seja da APSS, investimento privado ou fundos comunitários já assegurados. Relativamente às metas e objectivos para o Porto de Setúbal no horizonte da Estratégia (2017-2026), a Ministra do Mar fala num crescimento previsto de 60% - isto porque, refere, o Terminal do Barreiro deverá avançar e criar alguma concorrência a Setúbal, admitindo a Ministra que sem o Barreiro, Setúbal poderia crescer um pouco mais.

De resto, Setúbal entra na Estratégia do Governo em questões mais gerais como são os casos da criação de mais postos de trabalho, a captação de investimento ou a criação de uma rede de abastecimento de navios a GNL.